Quem são os colegas de prisão de Lula em Curitiba

Ex-presidente está preso no mesmo local em que encontram-se ex-amigos diretamente responsáveis pela sua condenação

Publicado por Maykon dia em Laja Jato 206 visitas
Quem são os colegas de prisão de Lula em Curitiba

Se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pudesse se encontrar com seus novos vizinhos na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, seria difícil evitar um certo constrangimento. Ele encontraria ali ex-amigos que foram diretamente responsáveis pela sua atual situação.

Um deles é Léo Pinheiro, ex-presidente da construtora OAS, que disse em depoimento que o tríplex que a empresa reformou no Guarujá pertencia, sim, ao ex-presidente - algo que sua defesa nega. Outro é o ex-ministro da Fazenda e ex-braço direito de Lula, Antonio Palocci, que afirmou ao juiz Sergio Moro que o ex-presidente tinha um "pacto de sangue" com a construtora Odebrecht.

Lula, no entanto, não deverá ter contato com nenhum deles.

O líder petista, que foi citado por alguns em suas delações premiadas na Lava Jato, está em uma sala especialmente adaptada para recebê-lo no centro do prédio, afastado da carceragem onde estão os demais presos.

Lula também terá direito a uma hora a mais de banho de sol, em horário diferente dos outros presos, justamente para que eles não tenham contato.

O ex-presidente faz as mesmas refeições que os outros presos, mas ainda não teve banho de sol desde que chegou à PF. Segundo seu advogado, Cristiani Zanin, isso ainda sera definido.

Confira quem são os outros presos da Lava Jato no mesmo lugar que Lula:

Antônio Palocci

Um dos aliados mais próximos de Lula e interlocutor entre o ex-presidente e o mercado, Palocci é tido como o responsável pelo maior golpe sofrido por Lula na Lava Jato. Palocci foi ministro da Fazenda na gestão Lula e ministro-chefe da Casa Civil no primeiro governo de Dilma Rousseff.

Ele está preso em Curitiba desde 2016, e foi condenado em primeira instância pelo juiz Sergio Moro em 2017 a 12 anos, dois meses e 20 dias de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Segundo a decisão de Moro, Palocci recebeu propina para atuar em favor da Odebrecht junto ao governo federal, entre 2008 e 2013. Ele também teria intermediado propinas pagas pela empresa ao PT. Na planilha de propina da Odebrecht, ele seria o "italiano". Palocci nega.

Em um depoimento explosivo concedido a Moro em setembro de 2017, Palocci fez acusações a Lula e disse que o governo do ex-presidente tinha um "pacto de sangue" com a empreiteira.

Ele disse ainda que a ex-presidente Dilma Rousseff não apenas sabia do esquema corrupto entre PT, Odebrecht e outras empreiteiras, como foi beneficiária e mantenedora dos arranjos - algo que ela nega. Segundo ele, tanto as campanhas presidenciais de Lula quanto as de sua sucessora foram custeadas com dinheiro ilícito.

O ex-ministro foi preso preventivamente. Seus advogados de defesa negam as acusações e dizem que houve "antecipação da pena". Pedidos por sua liberdade no TRF-4 foram negados.

Lula nega todas as acusações feitas por Palocci e afirma que o ex-ministro disse o que falou para tentar fechar um acordo de delação premiada que o libertasse mais cedo da prisão. A negociação de colaboração de Palocci com a Justiça não foi concluída até hoje.

Léo Pinheiro

O ex-presidente da construtora OAS, cujo nome é José Adelmário Pinheiro, também foi condenado em segunda instância por corrupção ativa e lavagem de dinheiro na Lava Jato.

Para os investigadores, a empreiteira OAS teria dado um apartamento tríplex no Guarujá (SP) a Lula como forma de propina para obter vantagens em contratos públicos da Petrobras. Embora não tenha fechado acordo de delação ainda, Léo Pinheiro já teve penas reduzidas por colaborar com a Justiça.

Em um de seus depoimentos ao juiz Sérgio Moro, Pinheiro disse que o apartamento no litoral paulista era sim destinado a Lula, o que o ex-presidente nega. Conhecido por manter amizade com Lula, Pinheiro inicialmente negou a participação de Lula no esquema criminosos.

Mudou de versão, no entanto, com o avanço da operação Lava Jato e contou ter sido responsável por intermediar a concessão do "presente" ao ex-presidente. Lula nega todas as acusações.

Até agora, Léo Pinheiro já foi condenado por Sergio Moro em três processos (incluindo o do tríplex). Em dois casos, as condenações foram confirmadas pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o TRF-4. Ele também é réu em outro processo com Lula, o que trata do suposto favorecimento ao petista por meio de um sítio em Atibaia (SP).

Pinheiro foi condenado a 26 anos e sete meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro e, no caso do tríplex, a mais três anos e seis meses.

Renato Duque

Até o momento, o ex-diretor de Serviços da Petrobras tem uma das penas mais altas aplicada na Lava Jato. Somados os processos em que está envolvido, sua pena chega a 84 anos e três meses.

Ele foi condenado por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa pelo juiz Sergio Moro, pelo recebimento de propina em contratos da Petrobras com a construtora Andrade Gutierrez.

No TRF-4, sua pena por esse crime foi aumentada de 20 anos e oito meses para 43 anos e nove meses.

Ele está envolvido em mais dois processos de corrupção, relacionados com a fraude de licitações da Petrobras. Em um deles, sua pena aumentou de 10 anos para 21 anos e quatro meses, por corrupção passiva.

O outro está suspenso, mas Duque já foi condenado em primeira instância a 20 anos e três meses de prisão.

No entanto, em junho de 2017, o juiz Sergio Moro determinou que Duque poderá sair da prisão após cinco anos em regime fechado, independentemente da pena acumulada, caso se disponha a um acordo de delação premiada.

Moro entendeu que Duque "prestou algumas informações relevantes sobre o esquema criminoso por parte de terceiros". O ex-diretor da Petrobras também se comprometeu a devolver 20 milhões de euros (quase R$ 75 milhões) que estão em contas no exterior.

O benefício ainda pode ser revogado se Duque não fizer acordo de delação ou caso fique comprovado que ele mentiu.

Em seu depoimento a Sergio Moro, Duque afirmou que Lula "sabia de tudo" no esquema de corrupção da Petrobras.

Ele também relatou um encontro com o petista no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, quando a Lava Jato já o investigava, em 2014. O encontro foi intermediado pelo ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. Segundo Duque, Lula teria perguntado a ele se ele tinha dinheiro em contas na Suíça e afirmou: "Não pode ter nada no teu nome, entendeu?".

Diante de Moro, Lula confirmou que o encontro ocorreu, mas que ele pediu a Vaccari que chamasse Duque apenas para questioná-lo sobre notícias que viu na imprensa. Minutos antes, no entanto, Lula havia dito que não sabia que Vaccari e Duque tinham uma relação.

Segundo os procuradores, as afirmações de Lula se contradiziam, o que pode ter complicado sua situação nas investigações.

Agenor Franklin Medeiros

O ex-executivo da empreiteira OAS foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Sua pena total foi de 26 anos e sete meses de prisão.

No caso tríplex, o mesmo de Lula, Medeiros foi condenado a um ano e dez meses de prisão por corrupção ativa. Moro determinou que ele começasse a cumprir pena em setembro de 2017, após a condenação em segunda instância.

Em seu depoimento à PF, Medeiros disse que a OAS, assim como a empreiteira Odebrecht, tinha uma área responsável por controlar o pagamento de "vantagens indevidas" a políticos.

Ele afirmou também que o partido mais beneficiado era o PT. Zanin, advogado de Lula, disse que Medeiros, assim como Léo Pinheiro, tinha dado seu depoimento em busca de um acordo de delação premiada e não tinha "compromisso com a verdade".

 

O empresário tem um dos "currículos" mais extensos entre os presos em Curitiba. Além de já ter sido envolvido em outros escândalos de corrupção, como a investigação sobre a atuação do empresário de jogo do bicho Carlinhos Cachoeira, Assad foi investigado em três desdobramentos da Lava Jato.

Ele é acusado de ser um operador de propinas que usava empresas de fachada para lavar dinheiro e distribuir pagamentos a funcionários da Petrobras, políticos e empreiteiros.

De acordo com o esquema, empreiteiras contratavam uma de suas empresas para obras de terraplanagem que não eram feitas. Mesmo assim, Assad emitia notas fiscais milionárias e repassava o dinheiro, como propina, aos agentes públicos.

Assad também promovia shows internacionais no Brasil, como os da banda irlandesa U2 e da cantor americana Beyoncé. Sua empresa de promoção de shows também teria sido usada no esquema de lavagem de dinheiro.

No início da Lava Jato, Assad foi condenado a 10 anos e 10 meses de prisão por lavagem de dinheiro e associação criminosa. Ele teve concedido, pelo STF, o direito de cumprir prisão domiciliar usando uma tornozeleira eletrônica.

Mas em agosto de 2016, ele foi preso novamente em outra fase da operação.

E em 2017, foi condenado a mais 13 anos de prisão por outra investigação da PF, não relacionada com a Lava Jato.

José Antônio de Jesus

Ex-gerente da Transpetro - subsidiária da Petrobras que atua na área de Transporte -, José Antônio de Jesus foi preso temporariamente pela Polícia Federal em novembro de 2017, na Operação Sothis, a 47ª fase da Lava Jato.

Ele foi acusado de intermediar o pagamento de R$ 7 milhões em propina da empresa de engenharia NM ao PT, para que a empresa fosse favorecida em um contrato da Transpetro.

Sua prisão, inicialmente temporária, foi transformada em preventiva.

Bruno Luz

O lobista Bruno Luz é apontado pela PF como um operador financeiro ligado ao PMDB no esquema de corrupção na Petrobras, juntamente com seu pai, Jorge Luz, que chegou a ser chamado de "o operador dos operadores".

Segundo as acusações, eles intermediavam o pagamento de propinas a políticos do PMDB e a funcionários da Petrobras usando contas no exterior.

Em outubro de 2017, Sergio Moro condenou Bruno Luz a seis anos e oito meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro.

Helio Ogama

Ogama era diretor-presidente da concessionária de rodovias Triunfo Econorte, suspeita de participar de um esquema de lavagem de dinheiro. Ele foi preso na 48ª fase da Lava Jato, a Operação Integração, que foi a primeira de 2018.

A operação apurava casos de corrupção ligados à concessão de rodovias federais no Paraná que fazem parte do chamado anel da integração, que liga importantes cidades do Estado.

Segundo a força-tarefa da Lava Jato, a tarifa de pedágio no Estado foi superfaturada para financiar o esquema.

Ogama foi acusado de corrupção, fraude em licitações e lavagem de dinheiro. Seus advogados de defesa negam as acusações.

Leonardo Guerra

Também preso na Operação Integração, Guerra era sócio e principal administrador da empresa Rio Tibagi, subsidiária da Triunfo Econorte.

Por meio de empresas reais e de fachada, algumas ligadas a membros de sua família, Guerra teria desviado recursos da Triunfo Econorte dentro do esquema de superfaturamento de pedágio e corrupção. Sua defesa nega.

Quem são os colegas de prisão de Lula em Curitiba
Quem são os colegas de prisão de Lula em Curitiba
Quem são os colegas de prisão de Lula em Curitiba
Quem são os colegas de prisão de Lula em Curitiba


Maykon

Colunista: Maykon Silveira

Cadastrado dia 02/05/2018